Ministério da Cultura, Governo do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado de Cultura, Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Rio de Janeiro, Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura, VIVO e BNDES apresentam

O FESTIVAL

Em 1961, juntamente com a inauguração do Museu Villa-Lobos, Arminda “Mindinha” Villa-Lobos, viúva do compositor, teve a ideia de criar um Festival que pudesse, todos os anos, reverenciar a vida e a obra daquele que se tornou um dos maiores compositores da música de concerto do século XX: Heitor Villa-Lobos. Surgia o Festival Villa-Lobos que, com o passar dos anos e com um olhar atento para o presente e para o futuro, veio a se tornar o maior e mais longevo evento de música brasileira e o único realizado na cidade do Rio de Janeiro que prioriza os diversos gêneros da música brasileira.

Com o Festival abriu-se não apenas um grande e diversificado espaço para intérpretes, solistas e outros compositores, como também se inaugurou um polo de formação de novas plateias e da multiplicação do saber focado na diversidade cultural brasileira. São concertos de música sinfônica e de câmara, recitais e espetáculos de música popular e de dança - num total de mais de 60 atrações espalhadas pela cidade -, que constituem uma mistura coerente com a personalidade aberta e perfil artístico diverso do compositor e com os ideais desse genial brasileiro.

Em 2016, o Festival terá como seu principal homenageado Egberto Gismonti, constituindo-se na abertura oficial das comemorações dos 70 anos do instrumentista e compositor, que serão completados em 2017.

Outras importantes efemérides serão celebradas este ano. Teremos o sesquicentenário de Anacleto de Medeiros, os centenários de nascimento de Dilermando Reis e do mais representativo gênero musical brasileiro - o Samba -, além dos 90 de nascimento de Moacir Santos, que nos deixou há exatos 10 anos.

 

Festival